Random header image... Refresh for more!

Vídeo Conferência 28/03/2016

tdah2016 - mes03-28.indd

março 8, 2016   Comentário

Dia Internacional da Mulher 08/03/2016

Para nós mulheres os meus parabéns, afinal ser mulher não é fácil, mas com certeza é gratificante!!!
Feliz dia internacional da mulher!!!

março 8, 2016   Comentário

As outras vias da ansiedade e da impulsividade

As outras vias da ansiedade e da impulsividade

A compreensão dos mecanismos neurobiológicos associados à regulação do medo é essencial para o desenvolvimento de novos tratamentos nos transtornos de ansiedade como fobias, pânico e transtornos do estresse pós-traumático.

Um trabalho realizado por pesquisadores da Universidade Pompeu Fabra, na Espanha, apresentou achados que sugerem que substâncias denominadas orexinas, também conhecidas como hipocretinas, estão envolvidas na regulação da ansiedade. As orexinas são neuropeptídios localizados exclusivamente nos neurônios hipotalâmicos e têm extensas projeções por todo o sistema nervoso central, sendo que, antes, achava-se que elas estavam envolvidas apenas na regulação do comportamento alimentar. Agora, descobriu-se que também têm participação na expressão e extinção das lembranças do medo. Descobriu-se que, uma vez adquirido o temor, os neurônios de orexina preservam o medo.

O processo é regulado por meio de um mecanismo que envolve diretamente o receptor orexina OX1R. Em ausência de estresse, as orexinas são essenciais na manutenção dos estados de vigília e de alerta. Em situações de estresse, em contrapartida, são responsáveis pela mobilização adaptativa ao estresse. O estudo demonstrou que distúrbios associados com a regulação das vias de orexinas levam a doenças associadas à ansiedade generalizada ou com problemas de processamento do medo, como fobias, transtorno do pânico e do estresse pós-traumático. Além disso, estudos anteriores já demonstraram a eficácia de antagonistas duplos OXR quanto ao tratamento da insônia.

Assim sendo, o sistema das orexinas pode ser uma nova opção para o tratamento dos distúrbios ligados à ansiedade, onde novos fármacos poderão atuar no futuro.

Fonte: África Flores et al, Orexina and fear: implicaciones for the treatment of anxiety disorders. Trends in Neurosciences, 24 de julio, doi:10.1016/j.tins.2015.06.005

março 1, 2016   Comentário